Voltar ao topo

Artes conceituais de Breath of the Wild mostram as primeiras ideias de Guardians, Divine Beasts, personagens e muito mais

As artes estão todas compiladas no livro The Legend of Zelda Breath of the Wild Master Works

O livro The Legend of Zelda Breath of the Wild Master Works foi lançado dia 15 de Dezembro de 2017. Lançado como o 3º livro para comemorar os 30 anos da série, até o momento não há notícias de um lançamento do livro em inglês. Enquanto isso não ocorre, as pessoas estão compartilhando algumas artes conceituais mostrando os estágios iniciais de desenvolvimento de personagens, lugares, inimigos e muito mais. O site Gaming Reinvented compilou uma série delas. Acompanhe a seguir, mas estejam avisados: há spoilers desses elementos que encontramos no jogo. Recomendamos que abra as imagens em uma nova aba para ver em uma resolução maior.

  • Guardians

Apesar do design principal não ter mudado muito desde sua aparição no primeiro trailer do jogo, na realidade os Guardians chegaram a ter artes conceituais bem diferentes do produto final. Há artes que lembram muito os que vemos no Silent Realm do Skyward Sword. Além disso há artes mostrando eles como serem mais orgânicos, nada robóticos, mas todos tinham em comum as longas patas e despertar o desespero de Link ao se deparar com um.

  • Divine Beasts

Outro elemento de tecnologia Sheikah que também passou por um processo de escolha foram as Divine Beasts. Esses maquinários colossais antes de chegaram às escolhas finais que vemos nos jogos, podemos ver que chegaram a cogitar em fazer Divine Beasts de uma raia, uma espécie de agua-viva terrestre que mais parece as máquinas alienígenas de Guerra dos Mundos e até um crustáceo. Certamente poderiam explorar até outras áreas de Hyrule que ficaram meio esquecidas, como as praias.

  • Hyrule Castle

Além de retratar o castelo e seus arredores nos dias atuais, há artes conceituais mostrando a cidade no seu auge e antes da Calamidade chegar, assim como a sala do trono real.

  • Malayna, o Deus Cavalo

Um personagem que pegou muita gente de surpresa foi o Deus Cavalo (Horse God) Malayna. Encontrado em o que achávamos que era uma Fonte das Fadas ao sul de Hyrule, revela ser uma deidade esquelética que protege os cavalos e pune quem os maltrata. Na arte conceitual mostrava ele mais parecido com um Lynel, ostentando um grande cordão com uma ferradura dourada.

  • Rei Dorophan

O rei dos Zoras possui uma arte conceitual que o mostra mais jovem, sem barba e com algumas similaridades com seu filho Sidon.

  • Robbie

O cientista Sheikah maluco de Akkala é um dos raros casos que não mudou muito em seus estudos iniciais. A maior mudança ocorreu com sua cabeleira mesmo. Confira:

  • Sheikahs

E por falar neles, há artes conceituais da tribo deles. A maioria tinha similaridades com agricultores do Japão medieval. A considerar que essa versão de Kakariko é bem similar a uma vila antiga do Japão, não é de se surpreender. Além disso, há uma arte de um Sheikah trajando um traje similar ao utilizado por Sheik em Ocarina of Time.

  • Wizrobes

Os magos saltitantes foram um dos poucos que não mudaram tanto em relação a outros inimigos em seus estágios iniciais de desenvolvimento. Os Wizorbes mantêm uma aparência bem similar e constante ao longo dos jogos da série.

  • O laboratório

Chegaram a cogitar em fazer um laboratório em formato de um Guardian, com um desativado e customizado para recepcionar os visitantes. Por falar nos inimigos, há uma arte conceitual de uma criatura que queima páginas de um livro. Não sabemos ao certo que papel ele teria no jogo, mas é uma arte interessante, de qualquer forma.

  • Cidade dos Gorons

A arte conceitual da cidade dos Gorons mostra que pouco se alterou na cidade no jogo em si. O que muda é que ao invés de só ter o rosto do Daruk esculpido, há um Monte dos Gorons bem mais completo.

  • Vila dos Ritos

Outra cidade que se manteve bem íntegra foi a dos Ritos. Apesar de seu estilo mais cartunesco e remanescente à vila deles de The Wind Waker, sua estrutura se mantem bastante similar.

  • Focas da Areia

O meio de transporte número 1 da Gerudo é bastante famoso na sua região, gerando até itens como os bichinhos de pelúcia que decoram o quarto de Riju. Há uma arte conceitual mostrando todo tipo de produto derivado desses bichos, incluindo jogo de xícaras e até uma banheira!

  • Fonte das Fadas

As fontes são bem similares entre si no jogo, com algumas diferenças de decoração dentro dos bulbos abertos. Nas artes conceituais dá para ver que seriam locais mais abertos, com uma decoração em uma estrutura similar a um pouco e uns até parecidos com as fontes dos jogos do Nintendo 64.

  • Princesa Zelda

Já vimos algumas artes conceituais de Link nos vídeos de Making Of do BotW, mas não tínhamos visto muito da Princesa Zelda em si. Podemos ver que experimentaram bastante, buscando inspiração até nas Zeldas dos jogos do NES e do SNES. Além disso, há artes que ilustram ela com roupas menos formais e mais aventurescas.

  • As rotas dos campeões durante a Calamidade Ganon

Isso é um ponto bem interessante. O livro ilustra o caminho que cada Campeão percorreu até chegar em sua Divine Beast para atacar Ganon. Curioso é ver que Rivali foi em linha reta até a sua, e também foi o que percorreu o maior percurso, mesmo que por vias aéreas.

Além disso, há mapas mostrando o caminho que os soldados fizeram quando tiveram que fugir da região do castelo, bem como a fuga realizada por Zelda e Link.

Fonte: Gaming Reinvented

Diretor de traduções do site, participante dos podcasts do site. Também desenho quando dar na telha

Comentários

  • Popular
  • Recente
  • Enquete
No dia 02 de maio de 2014 o nosso canal do Hyrule Legends no...
qua, 02/05/2018 - 03:51
No final de janeiro noticiamos que BotW detinha a marca his...
sab, 28/04/2018 - 10:33
Duração: 1 h 22 min 23 s YouTube Download mp3 (57,4 MB)...
seg, 23/04/2018 - 21:37
O livro The Legend of Zelda Breath of the Wild Master Works...
qua, 18/04/2018 - 17:55
O que mais te empolgou em Breath of The Wild?