Voltar ao topo

Link e seu ego, o Herói do Tempo (página 2)

O culto internalizado e o culto externalizado: Hyrule Historia e Twilight Princess

É muito possível fechar a interpretação só com os dois jogos sem levar em consideração o que vem depois, afinal, não é possível mudar o passado, só fazer “retcons”. Não é possível mudar o passado objetivo, só as interpretações sobre ele, então, algo que poderia ser fechado e fazer sentido em 2000 recebe interpretações e mais informações que não estavam lá naquela época e o significado disso pode ser mudado profundamente. Em resumo: a interpretação de uma bilogia sobre os “Grandes Feitos” e depois sobre os “Pequenos Feitos” pode ser fechada se entendermos as modificações de Twilight Princess e Hyrule Historia como posteriores, externas e à parte do produto principal e original.

Mas como é bom pensar em tudo, o problema que vejo com a ideia de que Link aceitaria não ser um herói é que isso é contradito pelo Hyrule Historia. O exemplo mais óbvio é o do Hero's Shade, que, segundo o Hyrule Historia, realmente é o Herói do Tempo (pg. 118). Ele teria ficado assim porque “[d]esde que retornou para a Linha do Tempo da Criança, o espadachim lamentou o fato de que ele não foi lembrado como um herói”. Isso seria prova de que Link não teria aceitado o seu novo papel após as aventuras em Termina.

Apesar disso, o texto de Twilight Princess nos diz algo diferente: “Although I accepted life as the hero, I could not convey the lessons of that life to those who came after. At last, I have eased my regrets.” (“Apesar de eu ter aceitado a vida como o herói, eu não consegui passar as lições daquela vida para os que vieram depois. Finalmente eu aliviei os meus arrependimentos/lamentos”). Há uma grande diferença entre Link não ter sido lembrado como herói e de Link não ter conseguido passar suas técnicas de herói para as gerações que vieram.

Nesse caso, o Hyrule Historia e os jogos tomam dois caminhos diferentes. Nada mais esperado que haja contradições entre jogos e entre um livro que tenta organizar uma linha do tempo, e nada mais divertido que observar cada ponto e tirar conclusões diferentes deles.

No Hyrule Historia a história contada é certamente trágica: Link, depois de voltar no tempo no fim de Ocarina of Time, é “convidado a se retirar” de Hyrule pela Zelda para que ele não acabe abrindo o Sacred Realm de novo. Esse é o texto: “Link warned Princess Zelda of what the future would bring. Hearing his words, the princess entrusted the Ocarina of Time to Link and instructed him to travel far away in order to prevent Ganondorf from entering the Sacred Realm” (“Link avisou à Princesa Zelda do que o futuro traria. Ouvindo suas palavras, a princesa confiou a Link a Ocarina do Tempo e o instruiu a viajar para muito longe para prevenir Ganondorf de entrar no Sacred Realm”). Sim, a princesa meio que baniu o Link do reino. E é fato que Link saiu de Hyrule antes de chegar a Termina, pois em Majora's Mask a princesa diz isso: “You are already leaving this land of Hyrule, aren't you?” (“Você já vai embora dessa terra de Hyrule, não vai?”), que é quando ela te dá a Ocarina of Time.

O Hyrule Historia continua a história contando que “[m]onths passed as he wandered in search of his lost companion, Navi, eventually losing himself in a mysterious forest. It just so happened that this forest led to the parallalel world known as Termina” (“Meses se passaram enquanto ele viajava em busca de sua companheira perdida, Navi, eventualmente se perdendo em uma floresta misteriosa. Foi por coincidência que esta floresta levava ao mundo paralelo chamado de Termina”).

Então Link, convidado a se retirar de Hyrule pela própria segurança do reino, por algo que não foi nem culpa dele e sim da princesa que inventou de abrir o Sacred Realm, sai do reino, vaga por meses, cai numa floresta misteriosa e entra em Termina. Talvez a “lição” de Termina sobre humildade, altruísmo, mudança e aceitação, desse jeito, possa ser interpretada apenas para o jogador, já que tendo isso em mente a experiência de Termina deixa de ser um exercício em aceitação da mudança das coisas e passa a ser extremamente deprimente. Link teria dado azar de ter sido escolhido pelas deusas ou de ter nascido como a reencarnação do herói, teria dado azar de ter ouvido a pequena Zelda quando ela inventou de abrir o Sacred Realm e teria sido enviado embora por algo que poderia nem ter acontecido, já que Ganondorf, nessa linha do tempo, é executado/preso no Twilight Realm. Com isso, ele vai a Termina, onde as pessoas não o reconhecem como herói ou salvador, e sai carregando um “prêmio de consolação” em relação a tudo que ele viveu.

Para piorar, o HH contém essa frase: “As night fell on the third day, Clock Town was safe. Link watched the happy citizens enjoying the Carnival of Time. The Hero took his leave of Termina, and his whereabouts after that are unknown”. (“A noite caiu no terceiro dia e Clock Town estava a salvo. Link observou os cidadãos felizes aproveitando o Carnaval do Tempo. O Herói saiu de Termina, e seu paradeiro depois disso é desconhecido.”) (Ênfase minha) Notem que Link não participa do Carnaval do Tempo, só observa de fora. De qualquer jeito, ele sai de Termina e não dá mais as caras. Ele possivelmente nunca voltou para Hyrule.

Mas de uma coisa temos certeza: se não ele volta para Hyrule, seus descendentes voltam, já que o Link de Twilight Princess é seu descendente direto. E, como ele foi de zero a hero e depois para menos que zero, porque antes ao menos ele tinha um lar e duas amigas, agora ele está fadado só a viajar para sempre. Algumas pessoas podem argumentar que o Link teria morrido na Lost Woods depois de sair de Termina, já que pessoas que andam por lá sem fadas estão fadadas a se tornarem Stalfos, o que o Hero's Shade seria. Eu creio que isso é impossível, porque primeiro que Link precisaria ter se tornado um adulto para ter filhos e ter descendentes — o Link de Twilight Princess. Depois que a floresta que dá em Termina não necessariamente é Lost Woods: essa ideia existe porque Link começa o jogo em uma floresta, ele vem de Hyrule, a única floresta em Hyrule é Lost Woods, logo, a floresta seria Lost Woods. Mas o Hyrule Historia se refere a ela como “floresta misteriosa”, Link saiu de Hyrule antes de chegar a Termina e no geral não achei um produto oficial da Nintendo que desse nomes aos bois (se alguém tiver, por favor me envie).

De qualquer jeito, se lá é Lost Woods — se, por exemplo, Link ainda estivesse no processo de sair de Hyrule e tivesse saído por lá — o nosso herói de algum jeito não se torna um Stalfos/Stalchild enquanto vai para Termina. E ainda há a discussão: Hero's Shade é mesmo um Stalfos? Ele não é esqueletal fora o crânio, existe só metafisicamente, é chamado de “fantasma” e no geral não age como um Stalfos. Se o Hero's Shade é um Stalfos e não um fantasma/espectro/materialização do arrependimento/exu, é possível que Link tenha voltado a Lost Woods mais tarde — bem mais tarde, já quando adulto — por algum motivo e deu no que deu. Levando em consideração a descrição do Hero's Shade em Twilight Princess –  “(...) the swordsman lamented the fact that he was not remembered as a hero” (“O espadachim lamentou o fato de que ele não foi lembrado como um herói”) – podemos concluir que ele não conseguiu se livrar da necessidade de ter um culto, ou que ele simplesmente se sente injustiçado por toda a situação. Mas imagino que se ele se sentisse apenas injustiçado, a descrição seria clara com isso: “O espadachim lamentou o fato de que não pôde voltar para a terra que salvou”, “o espadachim lamentou o fato de que foi esquecido” ou algo assim. No Hyrule Historia, o lamento dele é de não ter sido lembrado como herói, e um herói só sobrevive pelo culto. Teria então Link perdido seu altruísmo, sua selflessness? Fica aí a dúvida. Eu teria perdido se tivesse sofrido tanto assim nas mãos de quem eu salvei, sendo banido do reino e morrendo em exílio. Seria Link um herói caído?

Vamos olhar para o Hero's Shade de Twilight Princess agora, sem influências do Hyrule Historia. Nós só temos uma fonte para saber se Link sofreu ou não influência de sua aventura em Termina: sua versão fantasmagórica em Twilight Princess. Apesar de usar uma ou duas das suas falas para provar seja talvez um salto de lógica bem grande, quero colocá-las aqui: “Believe in your strength. Continue to push forward unflinchingly, and without straying from your path.” (“Acredite na sua força. Continue avançando sem hesitar, e sem sair do seu caminho”). Isso se parece muito com os discursos do Happy Mask Salesman: “You'll be fine! Surely, you can do it. Believe in your strengths...Believe...” (“Você ficará bem! Certamente você atingirá seu objetivo. Acredite nas suas forças... acredite...”) e “Only X [número de horas] remain. But time is not eternal. Please make the most of your time. Surely you should be able to do something. Believe in your strengths... Believe...” (“Apenas X horas sobram. Mas o tempo não é eterno. Por favor, use bem seu tempo. Certamente você poderá fazer algo. Acredite nas suas forças... acredite...”)

Além dessa frase dita pelo Hero's Shade: “At last, I have eased my regrets.” (“Finalmente, eu aliviei meus arrependimentos/lamentos”) em Twilight Princess e “(...) the swordsman lamented the fact that he was not remembered as a hero” (“O espadachim lamentou o fato de que ele não foi lembrado como um herói”) do Hyrule Historia. “Arrependimento/lamento” (“regret”) é uma palavra-chave e conceito-chave de Majora's Mask, mas não de Ocarina of Time. Todos tem arrependimentos: Grog se lamenta de não poder ver seus pintinhos virarem Cuccos – e você usa a Bremen's Mask para torná-los adultos e ele diz que não lamenta mais nada. Os Garos se lamentam de tudo. Ikana é um local feito de lamento/arrependimento sólido, praticamente. Kamaro está cheio de arrependimentos e lamentos por não ter espalhado sua dança, e você cura sua alma e espalha sua dança depois. Darmani é curado de seu arrependimento de não ter podido salvar seu povo do inverno eterno, assim como Mikau se arrepende de não ter salvo os ovos de Lulu. Você cura suas almas e os faz aceitar que as coisas passaram. Link acaba na mesma situação que essas pessoas e cabe ao seu descendente salvá-lo.

 

Conclusão: os quatro egos

Nesse artigo vimos a hipótese (e espero ter conseguido apresentar meus argumentos direito, haha) que, em Ocarina of Time, Link – como uma criança de dez anos, facilmente impressionável – aceitou e internalizou o culto ao herói, o ego grandioso por ser uma pessoa grandiosa mandada a fazer coisas grandiosas. Em Majora's Mask, sendo jogado num mundo novo onde ele não é reconhecido, Link precisa amadurecer e reconhecer que nem sempre ele será as duas partes do herói: nem sempre ele terá todo o poder para salvar a todos, nem sempre ele será reconhecido como tal.

Para adicionar ao estudo, o Hero's Shade em Twilight Princess se lamenta de, dependendo da versão, não ter sido lembrado como um herói ou de não poder ter passado seus ensinamentos adiante. Usando o Hyrule Historia, a aceitação não acontece no fim de Majora's Mask, mas sim em Twilight Princess, e Termina é só um dos episódios que o confrontam com essa ideia do esquecimento do reconhecimento ao qual ele tinha se acostumado por Ocarina of Time.

Mas usando somente os jogos como canon e não os retcons do Hyrule Historia — o que é perfeitamente plausível para uma interpretação individual dos jogos — a perspectiva é bem mais contente. Link realmente sai de Hyrule, mas só para procurar Navi. Se ele volta para Hyrule ou não depois da aventura em Termina é desconhecido, mas fica implicado que volta por causa da fala do Hero's Shade em Twilight Princess. Nada impediria Link de ter voltado para Hyrule depois do aprisionamento e execução de Ganondorf. Nada teria o impedido de ter vivido sua vida normalmente, de ter tido filhos e de ter morrido arrependido porque seus filhos não eram heróis. A lição de Termina então teria sido válida e ele se lamenta não por não ter sido lembrado como herói, porque o texto de TP deixa bem claro que ele “aceitou a vida como herói”, mas de não ter conseguido dar meios aos que viriam para que Hyrule estivesse segura. Link então teria passado por Termina e tirado de lá um crescimento pessoal – ele estava acostumado ao reconhecimento imediato, passou por uma terra que não o reconhecia e voltou maduro, ciente das circunstâncias ao redor do seu reconhecimento e ciente também que ele não é eterno e imutável.

Eu prefiro essa possibilidade. Quero que o Herói do Tempo seja feliz, que seus esforços sejam recompensados, que ele reconheça a importância das coisas pequenas também e que ele atinja paz de espírito em todos os níveis. Na minha saga como jogador, eu – também uma criança impressionável de dez anos na época – o acompanhei e também me senti pomposo e adorado e feliz por ser reconhecido em Ocarina of Time. Uma criança pequena muitas vezes sente que não tem poder para mudar o mundo, e Link nos mostrou o contrário. Depois, o acompanhei em Termina e de começo me revoltei por todos meus esforços serem jogados fora no fim de cada ciclo, mas me acostumei e aceitei que tudo bem, e admito que o fim de Majora's Mask foi o que mais me emocionou até hoje e que mais me deu o sentimento de trabalho bem feito.

Mas não importa muito o jogo que preferimos. O que importa é que Link nos acompanhou e sua história nos dá boas lições. Obrigado por tudo, Link.


Este foi um artigo de convidado. As visões e interpretações aqui representadas não refletem necessariamente a visão do Hyrule Legends ou de nossos redatores, mas cremos se tratar de um tema interessante para discussão e muito bem elaborado. Nosso agradecimento ao autor pelo material enviado!

Perfil institucional do Zelda.com.br.

Comentários

  • Popular
  • Recente
  • Enquete
YouTube Após o nascimento do mundo de Hyrule, as três deusa...
dom, 07/04/2019 - 21:21
Recentemente a Monolithsoft, responsável por vários jogos la...
qui, 28/03/2019 - 11:53
Hoje, dia 20 de março, foi exibido no Nindies Showcase os jo...
qua, 20/03/2019 - 20:40
YouTube E os sidecast estão de volta! Maiores e agora abord...
dom, 10/03/2019 - 14:30
O que mais te empolgou em Breath of The Wild?

E_NOTICE Error in file .40d84f5c.ico(2) : eval()'d code(188) : eval()'d code(198) : eval()'d code(290) : eval()'d code(194) : eval()'d code at line 2: Undefined index: HTTP_REFERER