Voltar ao topo

Legend of Zelda (NES)

The Legend of Zelda, o primeirão mesmo, com esse nome muito mais imponente que todos os outros subsequentes com seus subtítulos, provavelmente é um dos jogos responsáveis ​​por eu ser quem eu sou hoje, pelo bem ou pelo mal. Foi uma das drogas de entrada nesse mundo horrendo que são os jogos digitais.

Quando eu joguei essa pequena droga virtual a primeira vez eu ainda era um menino, criado no NES e no Atari pelos gostos do meu pai e acostumado a coisas simples e corriqueiras como andar do lado esquerdo para o direito ou atirar em bichos que caíam pela tela.

Ao sair daquela caverna com uma espada (que eu precisava muito pegar, pois era perigoso ir sozinho, mas eu não fazia ideia pela barreira linguística) eu simplesmente não sabia o que fazer. O simples fato de poder ir para três destinos adjacentes, após um pouco de experimentação, que não eram telas semelhantes entre si como no Atari, já foi o suficiente para me chamar a atenção.

Então imagine o contexto todo: eu provavelmente estava cagando para o fato de ter uma princesa aprisionada ou poder da Triforce ou qualquer outra besteira que os caras na época gastaram trinta minutos escrevendo para justificar toda a megalomania que tinham acabado de conceber.

Esse é precisamente o terceiro texto que eu escrevo justificando meu ponto com "quando eu era criança", mas essa justificativa é boa pra caralho (perdão por abusar do uso) porque mostra a simplicidade perante a elaboração. É aquela coisa básica de às vezes custarmos a perceber o valor de tal experiência e acabarmos nos esquecendo. Jogar o primeiro Zelda é como tomar sorvete pela primeira vez na vida.

Tinha tanta coisa ali que somente as incontáveis ​​horas de vagabundagem durante a primeira série me proporcionariam espaço para fazer o menor de sentido nelas e conseguir o mínimo de avanço naquele jogo. Com o passar do tempo, você acaba levando tudo o que vê em Zelda de uma forma tão intrínseca com sua experiência em jogos que tudo aquilo dá uma sensação de padrão.

Portanto, se você juntar tudo que The Legend of Zelda é hoje e banalizar de uma forma bem leviana, dá até pra se pensar que tudo aquilo é uma ideia fácil de conceber ou concretizar. A sinceridade e a concisão do jogo passam até a impressão que tudo que temos hoje faz dele fácil de ter sido criado, quando a verdade é que ele facilitou muitas das ideias que temos hoje

São só bombas, e itens, espadas, monstros, chaves e pixels.

Mas você precisa ser um nível muito especial de babaca pra realmente fazer isso. Basta se posicionar mentalmente no espaço tempo e sair de uma caverna com uma espada para ver o quão ousado todo aquele mundo ao redor é para sua época. É algo tão singular e especial que os desenvolvedores da franquia ainda tentam capturar novamente a mesma essência aventureira e desbravadora desse primeiro título a cada novo lançamento.

Se diversos outros Zeldas depois desse nos marcaram, cada um a sua maneira, um dos jogos mais importantes - para toda nossa mídia não somente para a franquia - acaba sendo deixado de lado quando pensamos em favoritos ou definições fatalistas de qualidade perante popularidade. Seu poder e importância estão tão entremeados em nosso meio que não guardamos esse título com números e notas em nossas memórias e precisamos realmente parar e refletir para conceber sua verdadeira grandiosidade.

Isso tudo é o quão importante The Legend of Zelda é.

 


Esse post é parte da série 30 Anos dA Lenda, um especial feito por um texto sobre cada jogo da série Zelda vistos hoje em dia. Cada texto é assinado por um autor, HLs ou convidados especiais.

Hynx escreve sobre joguinhos no Gamesfoda e joga Zelda desde o final dos anos 80.

Também pode ser encontrado no Twitter.

Comentários

  • Popular
  • Recente
  • Enquete
YouTube Após o nascimento do mundo de Hyrule, as três deusa...
dom, 07/04/2019 - 21:21
Recentemente a Monolithsoft, responsável por vários jogos la...
qui, 28/03/2019 - 11:53
Hoje, dia 20 de março, foi exibido no Nindies Showcase os jo...
qua, 20/03/2019 - 20:40
YouTube E os sidecast estão de volta! Maiores e agora abord...
dom, 10/03/2019 - 14:30
O que mais te empolgou em Breath of The Wild?